Aumenta número de fraturas em idosos que passeiam com cães

97

A longevidade é um presente, mas tem seus efeitos colaterais. No começo deste mês, um estudo publicado na revista “JAMA Surgery” mostrava que, entre 2004 e 2017, fraturas relacionadas a prosaicos passeios com cães haviam mais que dobrado entre pessoas acima de 65 anos. O lado bom da questão: não para de crescer o número de idosos que permanecem ativos – e sair com o cachorro para uma caminhada é ótimo exercício. O problema: não podemos perder de vista que o envelhecimento afeta nossa robustez e alguns cuidados devem ser observados para não nos arriscarmos.

A pesquisa foi realizada pela Penn Medicine, a escola de medicina da Universidade da Pennsylvania. No levantamento, que cobriu mais de 30 mil casos registrados em cerca de 100 hospitais, 78% das fraturas tinham ocorrido em mulheres. Esse é um ponto de atenção para a população feminina, que vive mais e, frequentemente, só. Para os pesquisadores, duas tendências estão espelhadas no estudo: além de os idosos estarem ativos, houve um incremento na disposição para ter um animal doméstico.

Metade das fraturas era em extremidades superiores, como dedos, pulso, braço e ombro. No entanto, 17% dos idosos fraturavam o quadril, um percentual expressivo e preocupante, por se tratar de uma lesão grave. Os estudiosos alertaram que os números computados – dos 1.671 casos em 2004 para 4.396 em 2017 – não refletem a realidade, porque boa parte das pessoas não chega a dar entrada em hospitais depois de um acidente desse tipo. Entretanto, podem haver sequelas que, se não forem tratadas, provocarão dor e limitação nos movimentos.

Na lista de cuidados a serem observados, considere a necessidade de adestramento do seu animal; a escolha de raças de menor porte; a utilização de guias curtas, para que não haja o risco de se enrolarem em suas pernas; e o uso de calçados que garantam seu equilíbrio.

Fonte: G1

Compartilhar