Celso Antônio Alves: trabalho e tranquilidade

Celso Antônio Alves é um entusiasta da extensão rural e, mesmo após os mais de 40 anos de serviços na Emater-MG, ele continua ligado as coisas da terra.

Aposentado, o Celso da Emater, como é conhecido na cidade onde mora, Guarda-Mor, no noroeste de Minas, trabalha atualmente em seu próprio Hotel Fazenda, que se chama Bom Jardim, nome dado em homenagem a sua cidade natal, Bom Jardim de Minas.

Ele fala sobre sua atividade atual. “Na propriedade temos um viveiro de plantas e flores, uma piscina toda avarandada, de água corrente, onde não usamos produtos químicos. Também temos um pesque-pague de lambari, um ribeirão onde é possível pescar dourados, traíras, piau, piracanjuba, entre outros peixes.  O Hotel Fazenda ainda conta com um jardim de 1,5 hectare de terra, uma ponte para árvorismo, cavalos para montaria, suítes, chalés, quartos e uma deliciosa comida no fogão à lenha”, conta.

Celso afirma que chegou a atividade atual aos poucos, progressivamente. “Quando fui transferido para Guarda-Mor, 2007, comprei o terreno, construí a casa sede e nos mudamos. A partir daí, começamos a plantar nosso extenso jardim e entusiasmei”, narra.

Já o motivo para continuar trabalhando após a aposentadoria ele explica com bom humor. “Vou me inspirar nas palavras do comentarista esportivo da Rede Globo, Paulo Roberto Falcão: Quem joga futebol morre duas vezes, a primeira quando para de jogar e a segunda quando parte para o mundo espiritual. O mesmo acontece quem trabalha na Emater-MG. Para me livrar desse luto da aposentadoria e me distrair comecei a trabalhar com Hotel Fazenda”, explica.

Para o futuro, Celso Antônio quer continuar a expansão do Hotel Fazenda e esperar ver, em breve, os amigos da extensão rural para curtir todas as comodidades de sua propriedade.