Estudo sobre contribuição do plano de saúde

DSC03288A AMAER acredita que a participação do associado é peça fundamental para a realização de um trabalho cada dia melhor. Um exemplo disso é o estudo, em conjunto com a Cabefe, realizado para analisar o valor da taxa de contribuição do plano de saúde da categoria sócio-facultativo.

Ao se aposentar, o profissional se compromete em arcar com o valor referente a 6% do salário como ativo ou a tabela mútua com 10% de bonificação. Porém, quando se aposenta, há uma redução considerável nos rendimentos.
Com o objetivo de criar uma solução, a AMAER e a Cabefe estão desenvolvendo um estudo de viabilidade para comparar qual a melhor opção e os impactos para os associados.

O colega Ednaldo José Abrahão, do Polo de Lavras, sugeriu a realização da pesquisa. Ele espera que a pesquisa traga soluções para a questão da sobrevivência do aposentado, sem que haja comprometimento da saúde financeira da Cabefe. “Alguns aposentados recebem, atualmente, cerca de 50% do que recebiam quando estavam na ativa. Isso se deve a diversos fatores, como por exemplo, o fator previdenciário e a redução do benefício da Ceres. O problema é que o pagamento realizado para o plano de saúde corresponde ao que o funcionário recebia na ativa, ou seja, quando o salário era maior”, explica.

Foram solicitadas informações sobre os rendimentos e contribuições para os associados sócio-facultativos, que foram encaminhados à Cabefe para análise.