Jorge: depois da contribuição, o momento de descanso

43 anos, 10 meses e 23 dias de trabalho. Esse é o tempo que o agrônomo, Jorge da Costa Vicente, dedicou à Extensão Rural. Natural da cidade de Barbacena, no Campo das Vertentes, Jorge se formou em 1969, na primeira turma de agronomia da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

Admitido pela Acar – Associação de Crédito e Assistência Rural, hoje Emater-MG, em 1970, trabalhou como supervisor de escritórios locais. Foi coordenador estadual da área técnica de Mecanização Agrícola, do Núcleo de Engenharia Agrícola, de Operações, do Programa Estadual de Mecanização Agrícola do Governo de Minas e foi Secretário Executivo do PRONAF e do CEDRS (Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável).

Sempre em busca do aprimoramento profissional, Jorge cursou, em 1982, uma especialização no CEEMAT, em Antony, na França, com foco na Mecanização Agrícola com Tração Animal e Maquinismos de Pequeno Porte e fez estágio em três países africanos (Mali, Burkina Faso e Costa do Marfim).

Jorge conta com o orgulho do trofeu que recebeu, “Melhores de 1986,” promoção do caderno Fim de Semana, do Jornal Estado de Minas. Outro orgulho para o agrônomo é ter exercido o cargo de Diretor Técnico da Emater, cargo que ocupou por três anos.

O agrônomo se aposentou em 2013 e se orgulha da trajetória de sucesso na empresa. “Através da ACAER/Emater-MG tive o privilégio de testemunhar e participar do desenvolvimento da agricultura mineira e brasileira”, ressalta.

E não foi apenas no campo profissional que Jorge comemora grandes conquistas. Foi também da Emater-MG que conheceu sua esposa, Marilene, com quem está casado há 41 anos. O casal tem duas filhas e um casal de netos, que, atualmente, são os motivos de dedicação integral do aposentado.

Jorge-e-Esposa