José Alexandre Ferreira: A Revolução da Avicultura em Minas

Algumas pessoas têm uma afinidade tão grande com a profissão a qual se dedicam que passam a ser conhecidas por ela. Esse é o caso do veterinário aposentado José Alexandre Ferreira, conhecido pelos colegas da extensão rural como Zé Cocó, grande conhecedor e responsável pela expansão da avicultura em Minas Gerais.

Um dos primeiros veterinários a trabalhar na Acar/Emater-MG, entrou para a empresa através da indicação do professor Luiz Rodrigues Fontes, que enxergava a importância desses profissionais na extensão rural. José Alexandre fez o curso de pré-serviço em Viçosa, em 1956, e a parti r desse momento dedicou sua vida à extensão.

“Após o pré-serviço voltei para Belo Horizonte e mais tarde passei pelas cidades de Cordisburgo, Sete Lagoas, Pará de Minas (cobrindo férias) e Serro, onde fiquei até julho de 1958. Após esse pequeno período existia a possibilidade de ir trabalhar no Banco do Brasil, mas fui transferido para a região de Juiz de Fora. Em 1961 inaugurei e fui supervisor local no escritório de Santos Dumont,” conta.

Toda essa trajetória foi coroada pela passagem de José Alexandre por Pará de Minas, em 1962, como supervisor regional. “Nessa época havia uma grande demanda pela criação de proteína animal para consumo interno e para exportação. Abracei esse desafio e desenvolvi um trabalho de extensão voltado para a avicultura que transformou Pará de Minas em um núcleo produtor de frango de corte. Foi a partir desse momento que me deram o apelido de Zé Cocó”, lembra.

Paulo Severino de Resende fala sobre o amigo. “O Zé Cocó, transformou a região de Pará de Minas por meio da avicultura. Ele é uma figura excepcional, sempre sorrindo e conversando sobre atualidades. É um ótimo amigo e todos a sua volta o adoram. Teve uma grande importância na história da extensão rural e a praticou em todas as fases”, afirma.

Após o excelente trabalho realizado em Pará de Minas, José Alexandre voltou para o Escritório Central da Acar como coordenador Estadual do Projeto Pequenos Animais.

Referência no setor

José Alexandre também participou ativamente de trabalhos em associações, sendo um elemento de liderança e referência no assunto. “Considero que o meu melhor trabalho foi formar uma escola de técnicos em avicultura, que existe até hoje”, conta orgulhoso.

Para a diretora executiva da Avimig (Associação dos Avicultores de Minas Gerais), Marília Martha Ferreira, José Alexandre é um associativista e perfeccionista, formou um grupo de profissionais de elite dentro da Acar/Emater-MG que ainda hoje militam na área avícola como honoráveis professores universitários, e profissionais de diversas áreas do agronegócio avícola. “Ele faz parte da história da avicultura mineira, brasileira e da Avimig onde tem seu nome cravado no auditório de sua sede, em Belo Horizonte”, afirma.

Além da Avicultura

Em 1979 José Alexandre, a convite do secretário de Agricultura, foi presidente do IESA, órgão que mais tarde se tornaria o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA). “Me dediquei a esse trabalho, mas sem deixar a avicultura de lado. Consegui desenvolver um trabalho de saúde animal deixando de ser apenas um controlador da febre aftosa. Foi um grande feito e formamos uma equipe de técnicos muito competentes”, narra.

Em 1991, se aposentou após voltar para a Emater-MG. Aos 84 anos ainda continua trabalhando e mora em Itabirito, região Metropolitana de Belo Horizonte, com a esposa Fátima Maria Ribeiro Valadão. Natural de Ouro Preto, tem uma propriedade no município e foi, por duas vezes Secretário de Agricultura da cidade. Também foi presidente do Sindicado dos Produtores Rurais de Itabirito e Ouro Preto, por seis anos, e continua com uma boa convivência com os produtores locais.

O veterinário aposentado e associado da Amaer, também já foi presidente da Associação de 1999 a 2000. “Foi uma grande honra na minha vida ter ocupado esse posto. Tenho admiração por todos da Amaer, principalmente pelo atual presidente, Sebastião Cardoso”, afirma.

José Alexandre está feliz ao lado da esposa, dos nove filhos, 22 netos e quatro bisnetos. Passa o tempo cuidando de algumas vacas e galinhas caipiras em sua propriedade.