Lusmar Costa: desenvolvimento rural e amor à extensão

Lusmar Costa deixou saudades e um grande legado a extensão rural em Minas Gerais. Entrou para Acar/Emater, em 1965, atuando nos municípios de Ubá, Paracatu até ser transferida para Patos de Minas, em 1971, como coordenadora regional. Nessa última cidade, Lusmar fez história com a criação do 1º Encontro Regional da Mulher do Campo, que valoriza as mulheres do meio rural, e o Festival de Pratos Típicos com Milho, evento que incentiva o acréscimo do milho na alimentação. Esses eventos se tornaram tradicionais na Fenamilho – Festa Nacional do Milho.

Agraciada com inúmeros títulos, Lusmar é lembrada com carinho por autoridades e agricultores.  Marialda Coury, Diretora da Fundação Casa da Cultura do Milho -Memorial do Milho, de Patos de Minas, fala sobre a homenageda. “A Lusmar era uma uma grande sonhadora e amante do meio rural onde deixou a sua marca, como exemplo de mulher culta, determinada e sonhadora. No Memorial do Milho está guardado o seu acervo particular com toda sua história através de objetos, documentos, troféus e jornais doados em vida e após sua morte pela família”, conta.

O ex-prefeito de Patos de Minas, Jarbas Cambraia, recorda com carinho da grande contribuição de Lusmar para a região. O amigo, Célio Floriani, conta que trabalharam juntos por nove anos. “A Lusmar modernizou o setor rural feminino. Ela inovava na forma de ajudar e motivar as famílias rurais”, afirma. O também companheiro de trabalho, Adélio Braz Tinoco, tem boas lembranças da amiga. “A Lusmar era uma pessoa muito competente e dinâmica. A Emater-MG era a vida dela. Fazia tudo com muito amor e entusiasmo”, conta.

Lusmar Costa nos deixou em 23 de maio de 2009, na mesma época da Fenamilho, festa que tanto amou.