Nídia Assumpção: Uma história de dedicação e trabalho

Nídia Borges Assumpção lembra com carinho do dia exato que começou a carreira na Emater-MG, à época Acar. No verão de 1955, no dia 15 de março, se iniciava uma história de dedicação e trabalho que deixou muitos admiradores.

Considerada uma autodidata, Nídia sempre trabalhou no Escritório Central, em Belo Horizonte, dedicando a maior parte dos 43 anos de carreira a área de recursos humanos. Também passou, no início da jornada pela Acar/Emater-MG, pelo setor de economia doméstica e pela área de contabilidade.

Aposentada desde 1998, ela conta como foi essa caminhada. “Depois de algum tempo já trabalhando na Acar/Emater-MG, fui convidada pelo senhor Ferreira para trabalhar no departamento pessoal, lugar onde me encontrei como profissional, fiz vários cursos, aprendi muito com os colegas e também sempre fiz questão de repassar o meu conhecimento”, conta.

Quem confirma essa afirmação é a amiga Carmen de Fátima Ávila. “Conheci a Nídia em 1972, quando entrei para a empresa. Naquela ocasião, era ela quem aplicava os testes de datilografia e promovia as entrevistas dos candidatos às vagas dos cargos administrativos. Em 1973, fui selecionada para integrar sua equipe e comecei a trabalhar no Serviço de Pessoal, onde Nídia era “Chefe de Serviço”. Foi nessa época, difícil e desprovida de tecnologia, quando as rotinas de pessoal eram totalmente processadas artesanalmente, que essa profissional exemplar, com competência, entusiasmo e carisma peculiar, despertou o meu interesse na área de recursos humanos. Com o tempo, ela soube me transmitir um pouco da sua experiência que, somada ao meu interesse, me permitiu, a exemplo dela, me profissionalizar nas rotinas de registro e pagamento de pessoal. Tive o privilégio, ainda, de dar sequência ao seu trabalho, ao substituí-la na função, a partir de fevereiro de 1988. Por tudo que significou na minha formação pessoal e profissional tenho, eternamente, por Nídia, grande admiração e respeito”, narra.

Nídia conta que entrou para Acar/Emater-MG com 18 anos e saiu aos 61. Desse período, só guarda boas lembranças. “Trabalhei com uma turma composta por pessoas muito boas. Ainda tenho saudade da rotina da empresa e do contato com os colegas. Sempre trabalhei com prazer e nunca reclamei das minhas funções”, afirma.

A também companheira de trabalho e admiradora, Eluse Duarte Coelho, fala como era estar ao lado de Nídia Borges. “Quando entrei na Emater-MG, uma das primeiras pessoas que tive contato foi a Nídia. Ela era gerente do setor de “registro e pagamento de pessoal”, onde exerceu a função por muitos anos com muita dedicação e competência. A forma como ela recebia os empregados recém-contratados era encantadora, sempre com muita simpatia e um sorriso, transmitindo-nos segurança e o sentimento de sermos bem-vindos”, conta.

Um fato que marcou a vida profissional de Nídia foi a homenagem que recebeu ao deixar a empresa. “Fiquei muito emocionada com a homenagem da empresa e dos colegas. Sai com a certeza do dever cumprido, principalmente por ter participado da luta pelo direito ao seguro de vida dos empregados. Também ressalto a importância dos dois cursos que participei de preparação para a aposentadoria, no Hotel Tauá e Hotel Fazenda Canto da Siriema”, lembra.

Atualmente, Nídia se orgulha dos 81 anos esbanjado simpatia e disposição por onde passa. Dedica o tempo às atividades de pilates e à família, principalmente ao lado da deliciosa companhia dos amados netos.