Oswaldo Rezende Monteiro: é preciso estar desperto

36

O engenheiro agrônomo, Oswaldo Rezende Monteiro, se aposentou após quase 40 anos dedicados a extensão rural. Mas para ele, isso não significou ficar sem trabalhar, ao contrário, atualmente Monteiro tem uma pequena indústria, uma cerâmica, onde produz tijolos e produtos similares, e uma fazendinha onde cultiva eucalipto e trabalha com a pecuária de corte.

Natural de São Miguel do Anta, o extensionista aposentado passou pelos municípios de Dom Silvério, Pedra Azul e Almenara, onde vive atualmente com a família.  Ele fala sobre a sua relação com a empresa. “A Emater-MG é uma escola. A gente aprende a trabalhar e gostar do que faz. Depois que a gente se aposenta continua a exercer uma atividade com base no que aprendemos”, conta.

Oswaldo conta que gosta muito das atividades que exerce e faz um alerta aos colegas. “Quem aposentar e não trabalhar está em uma contagem acelerada para desaparecer. A inatividade mata. A gente tem que ter um ciclo de amizade, tem que ir para a farra, beber com os amigos, trabalhar. Buscar uma atividade o tempo todo para manter se desperto. Tenho 68 anos e ainda vou fazer muitas coisas”, afirma.

 

 

 

 

 

 

Compartilhar