Célio Floriani: Trajetória marcada pelo profissionalismo e apoio à agropecuária mineira

Célio Gomes Floriani

O catarinense Célio Gomes Floriani é um extensionista que confirma, através de sua jornada profissional, a colaboração para o desenvolvimento e melhoria da vida no campo. Casado, há mais de 40 anos, pai de três filhos e avô de um neto, o engenheiro agrônomo começou a carreira pela Emater-MG, à época ACAR, em 1970, no Escritório local de Monte Carmelo, no Alto Paranaíba. Foi nesse ano que compartilhou ideias e contou com o apoio e valiosas orientações do atual presidente da AMAER Dr. Paulo Severino de Resende, que na ocasião era Supervisor Regional em Uberlândia.

Também trabalhou como coordenador do Projeto de Pequenos Animais na regional de Uberlândia; Supervisor Regional em Divinópolis, durante seis anos, e Supervisor Regional de Patos de Minas, por nove anos.

Após esse período de muito trabalho e dedicação, em 1988, foi cedido para ocupar o cargo de Chefe de Gabinete na Secretaria de Agricultura do Estado de Minas Gerais, por dois anos. Licenciado, também trabalhou no cargo de Diretor Técnico da Ribeiral Sementes, por aproximadamente oito anos.

Ocupou, no Ministério da Agricultura, no período 1996 a 1998 os cargos de Diretor do Departamento de Infraestrutura e Coordenador da Assessoria Especial do então ministro Arlindo Porto.

Em 1999 assumiu o cargo de diretor Geral do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), onde ficou até o final de 2002. Foi representante do Governo de Minas no Escritório do Café, em Brasília. Assumiu a Presidente da CASEMG de abril 2003 a junho de 2007.

Floriani se aposentou em 2005, momento que estava licenciado como presidente da CASEMG. Mas mesmo após a aposentadoria ocupou o cargo de Chefe de Gabinete da Secretária Executiva do Ministério da Agricultura e Analista Técnico da Secretaria de Ciência, Tecnologia e de Ensino Superior de Minas Gerais, cargo que exerceu até fevereiro de 2012.

Atualmente ocupa o cargo de Coordenador do Centro Universitário de Sete Lagoas, para implantação do UNICEASA (Centro de Formação Profissional), fruto da parceria entre a CEASAMINAS, Instituto CEASAMINAS o Centro Universitário de Sete Lagoas.

Para Floriani, a atividade de extensionista é permanente e não para. “Mesmo após aposentadoria continuo extensionista, aprendendo e praticando as boas lições vivenciadas nessa importante e sempre necessária profissão. A extensão é a melhor universidade para formar pessoas. Tenho orgulho de ser extensionista e sou grato a todos os companheiros das equipes com quem participei pelo companheirismo, amizade, apoio, colaboração e idealismo. Considero a AMAER como o maior laboratório vivo da extensão rural, do qual tenho o prazer e privilégio de participar”, conta.