Joana d’Arc: dedicação, orgulho e missão cumprida

Foto Joana perfil usada 2

Depois de muito contribuir para o desenvolvimento rural e para a melhoria na qualidade de vida de quem vive no campo, a ex-extensionista Joana d’Arc, hoje com 96 anos, reside em Viçosa, na Zona da Mata. É uma mulher independente e divide o tempo entre passeios, aulas de pilates e atividades estimulantes, como jogos da memória. Aposentada desde 1988, ela recorda com orgulho e emoção a trajetória na ACAR/Emater-MG.

Natural de São Miguel do Anta, na Zona da Mata Mineira, Joana d’Arc deu início a carreira profissional como professora, em Viçosa. Ingressou na ACAR em 1952 como extensionista local, na cidade de Machado. Em seguida foi transferida para Ponte Nova, onde inaugurou o escritório do município. Ela recorda como foi trabalhar no campo. “O contato e a vivência direta com as famílias do campo me deixava entusiasmada e impulsionava ainda mais o meu trabalho”, afirma.

Já na Unidade Central da Emater-MG, onde foi transferida em 1957, participou de diversos cursos de capacitação. Entre eles se destaca o curso de Habitação Rural. Através dele trabalhou como coordenadora de Habitação Rural e aproveitou a oportunidade para capacitar e orientar os colegas do campo. “Esse foi um trabalho que contribuiu muito para a melhoria na vida da população rural, incentivando o progresso da moradia do produtor em vários os aspectos. Realizamos um trabalho em todo Estado para verificar e conhecer as demandas das famílias rurais. Encontramos soluções para problemas como má́ distribuição de moradores em um curto espaço, condições precárias de higiene em cozinhas e dispensas”, conta.

Durante os 36 anos de trabalho na área de Bem Estar Social e dedicação a extensão rural, Joana d’Arc não deixa de afirmar que foram períodos de um trabalho sério, prazeroso, bonito e que precisa de continuidade, pois o campo ainda carece de desenvolvimento.