Perfil: João Leonardo Martins de Oliveira

João Leonardo acompanhado da esposa Eda e dos filhos Leonardo, Erika e Juliana.

Natural da cidade de Ubá, na Zona da Mata mineira, o engenheiro agrônomo, João Leonardo Martins de Oliveira, iniciou a carreira na Acar/Emater-MG em março de 1964, como Supervisor Local, em Divinópolis. E foi com esse primeiro passo, que começou a escrever seu nome na história da extensão rural em Minas Gerais.

João Leonardo conta que trabalhou na Acar/Emater-MG em dois períodos. “O primeiro foi de 1964 a 1976, ano em que concluí meu Mestrado em Administração de Empresas, na Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG. Nesta mesma época também atuei em Sete Lagoas como Coordenador de Pecuária de Leite, em 1970. Pouco tempo depois, em março de 1972 assumiu o Escritório Seccional de Pouso Alegre, no Sul de Minas. Em 1976, por entendimento entre a direção das empresas, fui colocado à disposição da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais – Epamig, atuando como Chefe da Assessoria da Presidência e depois assumiu a Chefia do Departamento de Planejamento e Apoio Técnico. Retornei a Emater-MG como Coordenador de Planejamento em agosto de 1987”, conta.

Orgulhoso do caminho percorrido, João Leonardo lembra do trabalho desenvolvido em Divinópolis, especialmente da saudosa colega Iris Brilhante. No mesmo município, o extensionista aposentado recorda do apoio recebido da direção da Cooperativa dos Produtores de Leite, com a participação do Técnico em Laticínios, Eli Alves de Oliveira. Juntos elaboraram o o projeto de industrialização do leite para a Cooperativa e o projeto de credito rural para sua implantação, iniciativas pioneiras.

Na passagem pela Epamig, encarou o desafio de transformar a antiga publicação Informe Agropecuário, da Secretaria da Agricultura, em uma revista mensal. A nova publicação deveria reunir tecnologias disponíveis nas instituições de pesquisa agropecuária. “O Departamento que eu administrava planejava a pauta editorial anual, acompanhava a produção, fazia a revisão linguística, composição e montagem de cada publicação. A tiragem era de 12 mil exemplares mensais, chegando em algumas edições a 15 mil e contava com mais de 8.000 assinantes, sendo um marco editorial na história das publicações técnicas para o setor agropecuário”, fala.

Quem também fez parte dessa passagem de João Leonardo pela Epamig é o amigo Antônio Álvaro Corsetti Purcino, atual Chefe-Geral da Emprapa Milho e Sorgo. Ele fala sobre o amigo. “Eu trabalhei junto com o João na década de 80 e começamos uma forte amizade. Ele é muito sério, dedicado, inovador e sempre se destacou por ser um profissional de alto nível. João Leonardo têm muitos motivos para se orgulhar do trabalho que desenvolveu e que contribuiu muito para o desenvolvimento da agricultura em Minas Gerais”, avalia.

Movido por desafios

João Leonardo lembra com alegria do desafio de, em 1968, levar 36 jovens, participantes dos Clubes 4-S, das comunidades de Quilombo e Córrego Falso ao clássico mineiro Atlético x Cruzeiro, no Mineirão. “Saímos cedo de Divinópolis, visitamos o Zoológico, lanchamos no gramado a beira da Lagoa da Pampulha e dali fomos para o Mineirão. Foi indescritível e inesquecível a alegria dos jovens. Lembro-me que durante o jogo a meninada começou a sentir muita sede e os bebedouros não tinham água. Foi um sufoco. Tivemos que apelar para os ambulantes que vendiam limonada para aplacar a sede da turma”, recorda.

O amigo Marinho Miranda reforça a característica animadora e alegre de João Leonardo. “Estive com ele em diversas oportunidades, desde nosso tempo de universidade até quando trabalhamos juntos. O João é uma pessoa que sabe motivar e animar a todos. Ele sempre foi o cara que tornava o ambiente agradável e leve, mesmo em dias difíceis”, lembra.

Após a aposentadoria, em 1998, João Leonardo foi Diretor da Fundação de a Apoio a Pesquisa e ao Desenvolvimento – FAPED, por dois anos. Também foi o presidente da Amaer em 2000/2001 e 2006/2008. “Meu trabalho voluntário na Amaer teve início na gestão do José Alexandre Ferreira e sempre procuro contribuir para seu fortalecimento e crescimento”, afirma.

O amigo e atual presidente da Amaer, Sebastião Cardoso fala sobre o companheiro. “Conheci o João Leonardo no curso de pré-serviço e construímos uma grande amizade e mesmo após aposentados nosso contato se solidificou, principalmente com nossas famílias”, conta.

João Leonardo atualmente dedica o tempo aos cuidados com os netos, caminhadas, leituras e as idas ao clube para encontrar os amigos.