Waldemar Machado Calumby – Uma grande marca na Extensão Rural

Reconhecido pela sua determinação e disciplina, Waldemar Machado Calumby, ou apenas Calumby, como era chamado, deixou uma grande marca na história da extensão rural.

O amigo e admirador, Sebastião Cardoso, lembra dos feitos do extensionista. “O Calumby fez parte de uma turma de pessoas que se esforçaram muito para constituir e fortalecer a extensão rural. Ele era um profissional muito sério, responsável, querido e respeitado. Atuando na área administrativa financeira, foi o autor de vários controles administrativos que inovaram a gestão na época. Lembro também da sua forte relação com o setor de mecânica da Emater-MG, do capricho que tinha com essa área e das confraternizações de final de ano que participávamos nessa oficina. Calumby também teve atuação destacada no que se refere ao Crédito Rural e foi elemento importante na criação da Amaer”, relata.

Carlos Trindade também relembra como foi conviver com Calumby. “Ele foi a pessoa que mais me motivou quando sugeri alterações para otimizar o trabalho dos técnicos. Também fizemos muitas viagens, em visitas de supervisão aos escritórios regionais e, no percurso, ouvia dele casos e conselhos. Ele era extraordinário, de caráter íntegro, exigente no trabalho consigo e com os outros. Foi meu mestre”, recorda.

Todas essas características também são lembradas no ambiente familiar. A filha Sônia Matoso Calumby Hermont, lembra de como o pai era atencioso e o verdadeiro xodó dos oitos netos. “Junto de minha mãe, Maria de Lourdes, o papai sempre foi muito dedicado à família, preocupado com a educação dos filhos e de uma conduta corretíssima. Um verdadeiro exemplo”, conta.

Alagoano, do município de Piaçabuçu, veio para Minas Gerais se formou engenheiro agrônomo, casou, constituiu família e acabou não cumprindo a promessa feita aos pais: a de voltar para casa.

O neto Lucas explicou carinhosamente, em uma rede social como será o retorno do avô à terra natal: “Meu avô, nascido em Alagoas, morreu em Minas Gerais. Seu último desejo foi de que suas cinzas fossem jogadas no Rio São Francisco, o rio que nasce em Minas e deságua em Alagoas. É como se ele dissesse que sua missão estava cumprida, que o ciclo chegara ao fim…”

Calumby faleceu aos 90 anos no dia 16/02/2019 e, segundo sua filha Sônia, terá o seu desejo realizado em breve.